ANÁLISE DE TEXTOS

Aprenda AGORA Português

Questões para simulado rápido de Português

No artigo de hoje vamos fazer um pequeno simulado de Língua Portuguesa apropriado para o Ensino Médio. O ideal é usá-lo ainda no primeiro bimestre como atividade extra para turmas que, por exemplo, já leram a obra Memórias de um sargento de milícias. Além deste assunto, o simulado de interpretação e literatura com gabarito traz questões de uso do acento grave, ambiguidade e regência. Há ainda questões sobre textos consagrados da nossa literatura como “O abençoado”, de Júlio Queiroz. Ao final, como eu já disse, você poderá conferir o gabarito.

Estude para chegar melhor ao vestibular e Enem.

Para as questões 1 e 2, leia o enunciado abaixo, retirado de um anúncio da Secretaria de Estado da Cultura e da Fundação Roberto Marinho que foi publicado na Revista Época, em 26 de maio de 2003.

TEXTO 1

Entenda por que você, cê, tu e ocê deve conhecer o projeto.

1. Após ler atentamente o anúncio, assinale a alternativa incorreta.
[A] As formas da língua portuguesa você, tu e ocê indicam, todas, a mesma pessoa do discurso: a segunda – aquela a quem se dirige o texto em uma situação comunicativa.
[B] As formas ocê e cê nos fazem pensar em formas da língua popular, regional ou familiar.
[C] Tu é uma forma difundida em todas as regiões do Brasil e é padrão de familiaridade no espanhol de Portugal.
[D] Você e tu também sugerem formas regionalizadas da língua.
[E] Você, em boa parte do Brasil, pode ser considerada uma forma de língua-padrão.

2. Ainda sobre o texto, é correto afirmar que:
[A] Cê, tu e ocê são três modos formais de nos referirmos à segunda pessoa.
[B] Independentemente de o verbo estar no singular ou no plural, temos sempre um interlocutor que é representado por você, cê, tu e ocê.
[C] No plural, o verbo indicaria que se trata de apenas um interlocutor que corresponde às quatro formas pronominais.
[D] O uso do verbo no singular individualiza o interlocutor do texto, ou seja, indica que o texto é dirigido a um interlocutor específico, no caso, o leitor da revista.
[E] Você é um pronome pessoal do caso reto, que corresponde à terceira pessoa.

3. Em se tratando de regência, é preciso acrescentar uma preposição a cada uma das frases seguintes, para que se tornem adequadas ao padrão culto da língua portuguesa. Exceto em:
[A] Está acostumado que eu lhe telefone bem tarde.
[B] Estou ansioso que esse problema seja resolvido logo.
[C] Fui contrário a que incluíssem meu nome num manifesto de solidariedade ao atual prefeito.
[D] Não faço oposição que ele entre no grupo.
[E] O povo parece desejoso que se encontre uma saída para a crise.

4. Quanto ao uso do acento indicador de crase, é correto afirmar que:
[A] A crase é facultativa diante dos nomes próprios masculinos e após a preposição até que antecede substantivos masculinos.
[B] A crase não ocorre diante de palavras que podem ser precedidas de artigo feminino.
[C] A ocorrência da crase com os pronomes demonstrativos aquele(s), aquela(s) e aquilo depende apenas da verificação da presença que antecede esses adjetivos.
[D] Dentre suas aplicações, o acento indicador de crase é usado nas expressões adverbiais, bem como nas locuções prepositivas e conjuntivas de que participam palavras femininas.
[E] No caso dos pronomes possessivos femininos, a utilização do artigo é obrigatória; a ocorrência da crase e o consequente emprego do acento também.

5. As frases a seguir são ambíguas, exceto:
[A] Ana viu o incêndio do prédio.
[B] Estão procurando o amigo do prefeito cujo carro o prefeito sofreu um acidente.
[C] Muitas crianças deveriam estar na escola.
[D] O time apresentou uma nova contratação, que há muitos anos não ganha um título.
[E] Um novo dentista abriu seu consultório neste bairro, que atende todas as manhãs.

6. Sobre a Literatura Brasileira, assinale a proposição correta:
[A] A prosa modernista tem como principal característica o rebuscamento da escrita.
[B] Na poesia parnasiana, o que se destaca é a falta de métrica e o conteúdo extremamente crítico.
[C] No Realismo, promove-se uma crítica ao comportamento do índio.
[D] No Romantismo, o amor nunca é subordinado às conveniências sociais.
[E] O Quinhentismo remonta ao período do achamento do Brasil e é caracterizado por crônicas de viagens.

7. Sobre a obra Memórias de um Sargento de Milícias, assinale a alternativa incorreta.
[A] Nessa obra, tudo cheira a povo. Não há sofisticações ou formalidades.
[B] Nessa obra, o autor não tem a intenção de individualizar as personagens psicologicamente, mas sim de criar personagens que são verdadeiros tipos sociais.
[C] Leonardinho, o anti-herói, é apresentado bastante próximo da realidade humana, com defeitos e atrapalhações, distante dos moldes do Romantismo.
[D] Essa obra possui muitas personagens suburbanas, retiradas das redondezas do Rio de Janeiro, gente humilde com fala popular por parte das personagens, fatores de grandeza na obra.
[E] As pessoas que compõem a obra formam vários tipos populares da Zona Sul carioca, formada por cozinheiras, meirinhos, parteiras, sacristões, enfim, elementos da alta sociedade.

8. Considerando o que você leu em Memórias de um Sargento de Milícias e o contexto histórico da obra, assinale a proposição correta.
[A] A obra “Memórias de um Sargento de Milícias” foi escrita em 1854, primeiramente em livro, depois – dois anos mais tarde – em folhetim.
[B] Como contexto histórico em que essa obra foi produzida, podemos citar a fuga da Família Real ao Brasil, devido à invasão francesa ao território português, comandada por Napoleão Bonaparte.
[C] Essa obra foge dos padrões modernistas da época.
[D] Memórias de um Sargento de Milícias apoia a sociedade retórica dominante, dando um tom realista e sobrenatural do gênero picaresco, o que gerava muito interesse por parte dos leitores da época, acostumados a novelas bem comportadas.
[E] Nessa obra, tem-se um mundo em que a ordem sempre se embaralha com a nossa própria ordem.

9. Sobre a obra 13 Cascaes, assinale a alternativa incorreta.
[A] Em História praiana, de Eglê Malheiros, as bruxas assumem o papel de dirigentes da família, assumem o lugar – teoricamente – do homem. Logo, questiona-se nessa narrativa se a mulher que se rebela é bruxa.
[B] Esse livro não é somente objeto de imaginação, mas, principalmente, de memória.
[C] Esse livro é composto por 13 contos que abordam a colonização alemã da região do Vale do Itajaí.
[D] No conto O presépio, de Adolfo Boos Jr., temos o conflito entre as tradições ilhoas e o seu apagamento sob o excesso de urbanidade no presépio de Cascaes que é estranhamente dessacralizado.
[E] O livro é como uma metáfora sobre Cascaes, que significa amontoado de conchas, casqueiro, o sambaqui ancestral.

10. Sobre o conto O abençoado, de Júlio Queiroz, está correta a alternativa.
[A] O tema central é a pesca de arrastão com a benção das bruxas.
[B] Esse conto focaliza um autêntico congresso bruxólico, com o objetivo de resolverem o assédio que vêm sofrendo dos jovens catarinenses.
[C] Durante uma reunião para resolver o problema dos buracos das ruas, uma das bruxas anuncia o nascimento de Franklin Cascaes.
[D] As bruxas reclamam que os jovens não acreditam mais na cura através da medicina moderna, somente por meio de benzeduras.
[E] As bruxas amaldiçoam a medicina moderna.

Gabarito dos exercícios para simulado de Português
1-C, 2-D, 3-C, 4-D, 5-C, 6-E, 7-E, 8-B, 9-C, 10-E

Modelo de dissertação para simulado

Este artigo traz uma proposta de redação para montar um simulado para Ensino Médio. É bastante importante que todo professor aplique atividades que simulem as provas que estes alunos farão no vestibular ou mesmo no Enem. Esta não é uma proposta nos moldes exigidos pelo Enem, mas é bastante eficaz para quem deseja treinar a capacidade de argumentação e eliminar os erros mais comuns neste tipo de prova.

REDAÇÃO PARA SIMULADO

Vamos aprender a escrever uma redação
Leia o fragmento abaixo e faça o que se pede.

Crianças pequenas costumam ter imaginação muito fértil. Com o passar dos anos, geralmente vai-se reduzindo essa abertura para a fantasia, essa criatividade tão acentuada nos primeiros anos de vida, e que nos permite criar mundos imaginários, seres superpoderosos, amigos invisíveis. Entretanto, a criatividade é um importante atributo em todos os campos humanos, do pessoal ao profissional.
Profissionais criativos, atualizados, abertos a inovações são pessoas que provavelmente não deixaram
morrer a fantasia, direcionando seu foco e adequando-a a diferentes situações. (Mariléia Marchezan)
Após a leitura do fragmento acima, elabore um texto sobre a importância da criatividade na vida profissional, apresentando exemplos ou situações em que ela seja um fator decisivo para o sucesso. Redija um texto dissertativo-argumentativo.
Observações
  • Seu texto deverá ter no mínimo 15 linhas e no máximo 25.
  • Use o RASCUNHO e faça uma revisão do texto antes de passá-lo à folha definitiva.
  • Ocupe as linhas, de uma margem até a outra, observando o espaçamento adequado entre as palavras e respeitando os parágrafos.
  • Utilize linguagem clara, seguindo as normas da língua portuguesa culta, e escreva com letra legível.
  • Use caneta com tinta azul ou preta.
  • Dê um título à redação.
  • Não será aceita redação em versos.

Resumo sobre Realismo - Naturalismo

Neste artigo você conhecerá um pouco mais das características do Realismo/Naturalismo. O Realismo-Naturalismo é o período literário que estudo com meus alunos de segundo ano do Ensino Médio já no primeiro bimestre. Espero que vocês aproveitem este resumo para consulta de seus alunos. Indiquem para eles.

imagem-enem-sisu-prouni-MaisEducativo (12)

Origens

  • França
  1. 1855 - Pintura: exposição de Gustave Courbet
  2. 1857 - Literatura: publicação de Madame Bovary, de Gustave Flaubert
            - Le Réalisme: revista editada por Louis Duranty
  3. 1880 - Literatura: publicação de Le Roman Experimental, de Émile Zola
  • Portugal
  1. 1865 - publicação de Odes modernas, de Antero de Quental
            - "Questão Coimbrã" ou do "Bom senso e bom gosto"
  2. 1871 - conferências do Cassino Lisbonense
  3. 1875 - publicação da primeira versão de O crime do padre Amaro, de Eça de Queirós.
  • Brasil
  1. 1881 - Memórias póstumas de Brás Cubas, de Machado de Assis
    - O mulato, de Aluísio Azevedo
  2. 1888 - O Ateneu, de Raul Pompéia

Traços estilístico-ideológicos

  • Predomínio de uma concepção materialista da realidade: "observemos, analisemos, experimentemos" - palavra de ordem da época.
  • Literatura do não-eu: impessoalidade e objetivismo, observação e análise, estudo do homem - romance experimental (realidade exterior); romance psicológico (realidade interior).
  • Alvo principal do Realismo: a destruição das ilusões românticas. Na segunda metade do século XIX tudo muda vertiginosamente; provêm daí a insegurança humana e a recusa ao sonho e ao devaneio.
  • Postura racionalista: o escritor realista-naturalista adotará metodologia rigorosa, amparada nas teses do Evolucionismo, do Positivismo, do Determinismo, do Socialismo utópico e científico, do Anticlericalismo.
  • Evolucionismo: de acordo com Darwin, as espécies animais não seriam criadas ao mesmo tempo (as mais simples teriam dado, gradualmente, origem às mais complexas).
  • Positivismo: num mundo acelerado, a metafísica deixava de ter sentido; exigia-se, portanto, uma razão "positiva", que só considerasse os fenômenos cientificamente. Manifesta-se uma reação contra as extravagâncias, as poses e as veleidades espiritualistas.
  • Determinismo: o historiador e crítico francês Hippolyte Taine (1828-1893) diz, em Filósofos franceses do século XIX (1857), que o homem é determinado pelo meio, pela raça e pelo momento histórico. Socialismo: os realistas incorporaram os princípios utópicos de Proudhon (associações de auxílio mútuo formadas por pequenos produtores), fundamentados por Marx,e Engels - abandono de teses religiosas, discussão da mais-valia (no capitalismo, enquanto o lucro aumenta em progressão geométrica, o proletariado se enterra numa miséria ascendente).
  • Anticlericalismo: Ernest Renan (1823-1892), estudioso da religião sob uma perspectiva racionalista, critica a Igreja, considerando-a instituição do passado e, portanto, hostil ao desenvolvimento natural da vida.
  • Niilismo: escritores como Antero de Quental e Machado incorporaram o niilismo de Arthur Schopenhauer (1788-1860). Em O mundo como vontade e representação (1819), esse pensador alemão propõe os elementos éticos e metafísicos de sua filosofia ateia e negativista, voltada contra todo gozo e toda ação.
  • Arte documental: os escritores querem radiografar a sociedade. Buscam desnudar a realidade e mostrar suas fraquezas ocultas e seus falsos valores.
  • Apelo para a descrição (mais do que para a narração): daí certa aproximação com a pintura impressionista. O descritivismo será a base da prosa realista. As situações serão estáticas, com variação dos detalhes. O espaço assumirá caráter opressivo e o narrador procurará ser frio, tal como um analista científico.
  • O romance realista procurará também revelar as trevas do subconsciente (ódios inconfessados, crimes mórbidos, tentações abomináveis, pesadelos). Daí ò romance psicológico. Procede-se, portanto, a uma espécie de anatomia pessimística e moral do universo burguês. Como esclarece Machado de Assis: "Eu gosto de catar o mínimo e o escondido. Onde ninguém mete o nariz, aí entra o meu, com a curiosidade estreita e aguda que descobre o encoberto."
  • Romance naturalista: os adeptos dessa tendência partem de teses, quase sempre associadas às ciências naturais, às quais a personagem se amoldava, semelhantemente ao que ocorre com as cobaias de laboratório. Manifestam preferência pela anomalia social: miséria, adultério, criminalidade, desequilíbrio, desvios etc. O termo Naturalismo consolidou-se quando Zola, influenciado pela Intro-duction à Ia Médecine Experimentale (1865), de Claude Bernard, publicou Le Roman Experimental (1880): "O romance experimental é uma consequência da evolução científica do século; ele continua e completa a fisiologia...; substitui o estudo do homem abstrato, do homem metafísico, pelo estudo do homem natural, submetido às leis físico-químicas e determinado pelas influências do meio."

Exercício de intertextualidade com poema

Nesta rápida postagem quero compratilhar com vocês um exercício que levei para uma de minhas aulas de redação. A partir da discussão sobre intertextualidade, discurso e interdiscursividade, levei os alunos a pensar sobre as relações existentes entre estes dois textos na imagem. O poema “Meus oito anos”, de Casimiro de Abreu e “Meus oito anos”, de Oswald de Andrade. Vejam abaixo as questões que respondemos em apenas uma aula. Caso queira deixar suas respostas aí nos comentários, mando pra você o gabarito que apresentei para os alunos. Mas você pode se cadastrar na newsletter do blog e receber o exercício e o gabarito na próxima semana, pois mandarei para todos os assinantes da minha lista. Caso queira ler algumas coisas ainda sobre Enem e entender como se escreve uma redação nota 1000, visita o meu site Mais Educativo.

Exercício com o poema “Meus oito anos”

poema

1. Ambos os poemas se intitulam "Meus oito anos". Compare-os.

a) Qual é o tema de ambos os textos?

b) Como o tema é abordado no poema de Casimira de Abreu?

c) E como é abordado no poema de Oswald de Andrade?

2. Oswald de Andrade cita explicitamente o poema de Casimiro de Abreu, mas muda alguns de seus elementos, como o verso "debaixo dos laranjais", que troca por "sem nenhum laranjais".

a) Como você explica a concordância, ou a falta de concordância, em "sem nenhum laranjais"?

b) Que efeito de sentido essa opção provoca no texto?

c) Na opinião do poeta modernista, como seria uma infância de verdade?

3. Os dois poemas podem ser tomados como discursos, isto é, textos produzi­dos por um locutor numa determinada situação histórica e com a finalidade de criar certos sentidos, de atingir determina­dos interlocutores, etc. Levando em conta que todo discurso reflete uma ideologia, isto é, uma forma particular de ver e pen­sar o mundo, responda:

a) O discurso de Oswald de Andrade con­firma, aplaude ou nega o discurso de Casimiro de Abreu?

b) Que efeito o discurso de Oswald pro­voca no leitor do texto?