Aprenda AGORA Português

Exercícios sobre o texto “Fala, amendoeira”


Publiquei no blog Galeria de Textos um texto de Carlos Drummond de Andrade intitulado “Fala, amendoeira”. A partir dele elaborei algumas questões de múltipla escolha que podem ser feitas como exercício de reforço. Como vendi o outro blog, trouxe para cá o referido texto. Faça as questões e dê a resposta através dos comentários se quiser que eu corrija:

Fala, amendoeira

Esse ofício de rabiscar sobre as coisas do tempo exige que prestemos alguma atenção à natureza – essa natureza que não presta atenção em nós. Abrindo a janela matinal, o cronista deparou no firmamento, que seria de uma safira impecável se não houvesse a longa barra de névoa a toldar a linha entre céu e chão – névoa baixa e seca, hostil aos aviões. Pousou a vista, depois, nas árvores que algum remoto prefeito deu à rua, e que ainda ninguém se lembrou de arrancar, talvez porque haja outras destruições mais urgentes.  Estavam todas verdes, menos uma. Uma que, precisamente, lá está plantada em frente à porta, companheira mais chegada de um homem e sua vida, espécie de anjo vegetal proposto ao seu destino.
Essa árvore de certo modo incorporada aos bens pessoais, alguns fios elétricos lhe atravessam a fronde, sem que a molestem, e a luz crua do projetor, a dois passos, a impediria talvez de dormir, se ela fosse mais nova. Às terças, pela manhã, o feirante nela encosta sua barraca, e, ao entardecer, cada dia, garotos procuram subir-lhe pelo tronco. Nenhum desses incômodos lhe afeta a placidez de árvore madura e magra, que já viu muita chuva, muito cortejo de casamento, muitos enterros, e serve há longos anos à necessidade de sombra que têm os amantes de rua, e mesmo a outras precisões mais humildes de cãezinhos transeuntes.
Todas estavam ainda verdes, mas essa ostentava algumas folhas amarelas e outras já estriadas de vermelho, numa gradação fantasista que chegava mesmo até o marrom – cor final de decomposição, depois da qual as folhas caem. Pequenas amêndoas atestavam seu esforço, e também elas se preparavam para ganhar coloração dourada e, por sua vez, completado o ciclo, tombar sobre o meio-fio, se não as colhe algum moleque apreciador de seu azedinho. É como se o cronista, lhe perguntasse – Fala, amendoeira – por que fugia ao rito de suas irmãs, adotando vestes assim particulares, a árvore pareceu explicar-lhe:
-- Não vês? Começo a outonear. É 21 de março, data em que as folhinhas assinalam o equinócio do outono. Cumpro meu dever de árvore, embora minhas irmãs não respeitem as estações.
-- E vais outoneando sozinha?
-- Na medida do possível. Anda tudo muito desorganizado, e, como deves notar, trago comigo um resto de verão, uma antecipação de primavera e mesmo, se reparares bem neste ventinho que me fustiga pela madrugada, uma suspeita de inverno.
-- Somos todos assim.
-- Os homens, não. Em ti, por exemplo, o outono é manifesto e exclusivo. Acho-te bem outonal, meu filho, e teu trabalho é exatamente o que os autores chamam de outonada: são frutos colhidos numa hora da vida que já não é clara, mas ainda não se dilui em treva. Repara que o outono é mais estação da alma que da natureza.
-- Não me entristeças.
-- Não, querido, sou tua árvore-de-guarda e simbolizo teu outono pessoal. Quero apenas que te outonize com paciência e doçura. O dardo de luz fere menos, a chuva dá às frutas seu definitivo sabor. As folhas caem, é certo, e os cabelos também, mas há alguma coisa de gracioso em tudo isso: parábolas, ritmos, tons suaves... Outoniza-se com dignidade, meu velho.
(Carlos Drummond de Andrade)

01) As palavras remoto (primeiro parágrafo), afetar (segundo parágrafo) e ostentar (terceiro parágrafo) significam, no texto, respectivamente:
(   ) longínquo, afeiçoar, alardear;
(   ) distante, distrair, mostrar;
(   ) antigo, incomodar, exibir;
(   ) distraído, aparentar, ornamentar;

02) Equinócio (quarto parágrafo) significa:
(   ) equívoco;
(   ) ponto de órbita da terra onde se registra igual duração do dia e da noite;
(   ) mancha escura que aparece de vez em quando no céu;
(   ) que tem poder igual;

03) Em “precisões mais humildes de cãezinhos transeuntes” (passagem situada no segundo parágrafo), o autor refere-se:
(   ) à fome dos cães que comem as amêndoas da amendoeira;
(   ) ao hábito que os cães têm de urinar em postes ou troncos de árvore;
(   ) aos cães vira-latas que, famintos, comem as folhas de amendoeira;
(   ) à precisão com que os humildes cãezinhos demonstram ao andar;

04) Destaque o item que melhor caracteriza o “ofício de rabiscar sobre as coisas do tempo”, situado no primeiro parágrafo:
(   ) desenhista que só se inspira na natureza;
(   ) escritor que só escreve sobre a natureza;
(   ) pintor de paisagens;
(   ) autor que escreve sobre temas da época em que vive;

Se você ainda não assinou o FEED do blog Análise de Textos, clique aqui e escolha receber em seu e-mail com toda a comodidade ou receber as atualizações em seu leitor de feeds.

05) Quando o cronista, referindo-se à árvore escreveu “fala, amendoeira”, no terceiro parágrafo:
(   ) cometeu um erro porque árvore não fala;
(   ) estava delirando;
(   ) usou um recurso de estilo atribuindo à amendoeira qualidades humanas;
(   ) foi imperativo porque a árvore era sua;

06) O trecho “frutos colhidos numa hora da vida que já não é clara, mas ainda não se dilui em treva”, localizado no oitavo parágrafo, refere-se:
(   ) aos escritos do autor;
(   ) aos frutos da amendoeira;
(   ) aos frutos colhidos na árvore à noitinha;
(   ) ao trabalho dos agricultores;

07) Ao usar a passagem “Essa árvore de certo modo incorporada aos bens pessoais”, quis o autor demonstrar:
(   ) que a árvore plantada à sua porta é um bem pessoal;
(   ) carinho pela árvore que está plantada em frente à sua porta e que a considera como sua;
(   ) que ia iniciar uma descrição da árvore que está plantada em frente à sua porta;
(   ) que não permitirá nunca que a árvore seja retirada da frente de sua porta;

08) As expressões anjo vegetal (primeiro parágrafo) e árvore-da-guarda (décimo parágrafo):
(   ) são arcaicas;
(   ) atestam os erros comuns no autor;
(   ) revelam o descuido do autor no uso da Língua Portuguesa;
(   ) são criadas pelo autor pela associação com a expressão anjo-da-guarda;

09) Destaque o item que NÃO corresponde à crônica lida:
(   ) o autor espiritualizou a amendoeira atribuindo-lhe sentimentos humanos;
(   ) o autor compara, na crônica, seu envelhecer com o da amendoeira;
(   ) a idéia central da crônica é a descrição dos efeitos do outono sobre as amendoeiras;
(   ) a amendoeira com que o autor “conversa” demonstrou sabedoria e bom senso;

10) Destaque o item que encerra a idéia central, a mensagem, enviada pelo cronista:
(   ) descuido das autoridades que permitiam a permanência da amendoeira naquele local;
(   ) reverencia a amendoeira que considerava sua;
(   ) aceitação do envelhecimento com serenidade;
(   ) engrandecimento do outono;

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Não se esqueça de confirmar sua opção lá no seu e-mail!

5 comentários :

  1. Por favor me envie o gabarito, pois quero trabalhar o texto com meus alunos.

    ResponderExcluir
  2. Quando posso receber esse gabarito?

    ResponderExcluir
  3. 01- A
    02- B
    03- B
    04- B
    05- C
    06- C
    07- B
    08- D
    09- C
    10- C


    Acertei?

    ResponderExcluir
  4. Olá Gracinha, as respostas dos exercícios eu coloquei, agora, em negrito. Eliminei a primeira questão por achar que haveria mais de uma possibilidade. Por via das dúvidas, melhor não abrir essa possibilidade. Obrigado pela interação e sempre que precisar, faça novamente isso. Responderei assim que puder.

    ResponderExcluir
  5. Valeu, foi muito útil ^.^

    Concordo com a ambiguidade da primeira questão, modifiquei-a um pouco ^.~

    ResponderExcluir