Aprenda AGORA Português

Exercício de interpretação de múltipla escolha


Leia o fragmento abaixo e, em seguida, o restante do texto “O parto e o tapete” para poder resolver os exercícios de interpretação de textos de múltipla escolha.

O parto e o tapete

Big nem era minha, era de um cunhado. Naquele tempo eu ainda não gostava de cachorros, pagando por isso um preço que até hoje me maltrata. Mas, como ia dizendo, Big não era minha, mas estava para ter ninhada, e meu cunhado viajara.

De repente, Big procurou um canto e entrou naquilo que os entendidos chamam de ''trabalho de parto''. Alertado pela cozinheira, que entendia mais do assunto, telefonei para o veterinário que era amigo do cunhado. Não o encontrei. Tive de apelar para uma emergência, expliquei a situação, 15 minutos depois veio um veterinário. Examinou Big, achou tudo bem, pediu um tapete.
Providenciei um, que já estava desativado, tivera alguma nobreza, agora estava puído e desbotado. O veterinário deitou Big em cima, pediu uma cadeira e um café. Duas horas se passaram, Big teve nove filhotes e o veterinário me cobrou 90 mil cruzeiros, eram cruzeiros naquela época, e dez mil por filhote. Valiam mais - tive de admitir.
No dia seguinte, com a volta do cunhado, chamou-se o veterinário oficial. Quis informações sobre o colega que me atendera. Contei que ele se limitara a pedir um tapete e pusera Big em cima. Depois pedira um café e uma cadeira, cobrando-me 90 mil cruzeiros pelo trabalho.
O veterinário limitou-se a comentar: ''Ótimo! Você teve sorte, chamou um bom profissional!''. Como? A ciência que cuida do parto dos animais se limita a colocar um tapete em baixo?
''Exatamente. Se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo e cobraria mais caro, moro longe''.
Nem sei por que estou contando isso. Acho que tem alguma coisa a ver com a sucessão presidencial. Muitas especulações, um parto complicado, que requer veterinários e curiosos. Todos darão palpites, todos se esbofarão para colocar o tapete providencial que receberá o candidato ungido, que nascerá por circunstâncias que ninguém domina.
E todos cobrarão caro. (Carlos Heitor Cony, Folha de S.Paulo, 19-12-01)

01) A associação entre o episódio narrado e a sucessão presidencial apóia-se
(     ) no argumento de que dos dois nascerá algo de grande valia e importância.
(     ) na idéia de que, num e noutro caso, cumprem-se rituais que pouco interferem nos fatos, mas que têm alto preço.
(     ) no fato de que sempre se estendem tapetes aos líderes poderosos que estão por vir.
(     ) na suposição de que as emergências são iguais por mais diferentes que pareçam.
(     ) na constatação de que a sucessão requer o envolvimento de especialistas e muita precisão.


02) Observe as frases I e II, extraídas do texto.

I. ''Big nem era minha, era de um cunhado.''

II. ''Big não era minha, mas estava para ter ninhada, e meu cunhado viajara. ''

É correto dizer que o narrador
(     ) em I, sugere estar desobrigado em relação ao animal; em II, faz ressalva a essa desobrigação.
(     ) em I, afirma ser estranho ao animal; em II, reitera sua indiferença em relação a este.
(     ) em I, exprime desprezo pelo animal; em II, manifesta um mínimo de consideração pelo destino deste.
(     ) em I, nega ter vínculos com o animal; em II, critica o cunhado que se ausentou, deixando Big aos cuidados de outrem.
(     ) em I, mostra-se longe de ter responsabilidade pelo animal; em II, invoca a responsabilidade do legítimo proprietário.

03) Ao afirmar ''tive de admitir'' (final do 3 o parágrafo), o narrador dos fatos está indicando que 
(     ) constatou a verdadeira importância do profissional que assistira Big, em seu trabalho de parto.
(     ) tomou consciência de que pagara mais do que valiam os filhotes de Big no mercado.
(     ) se curvou ao argumento empregado pelo veterinário para justificar o preço de seu serviço.
(     ) se estarreceu com o valor que um filhote pode atingir e com o preço que cobram os veterinários.
(     ) pagou pelos filhotes um preço justo, já que valiam mais do que dez mil cruzeiros.

04) ''Se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo e cobraria mais caro, moro longe.'' O significado do período acima está corretamente expresso em:
(     ) Mesmo que tivesse me encontrado, eu faria o mesmo cobrando mais caro, portanto moro longe.
(     ) Caso tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, mas cobraria mais caro, pois moro longe.
(     ) Embora tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, porém cobraria mais caro; moro longe, pois.
(     ) Desde que tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, pois cobraria mais caro, contanto que moro longe.
(     ) Salvo se tivesse me encontrado, eu faria o mesmo, porque cobraria mais caro, mesmo morando longe.

Insira aqui o seu email para receber gratuitamente as atualizações do blog!

Não se esqueça de confirmar sua opção lá no seu e-mail!

Nenhum comentário :

Postar um comentário